quinta-feira, 28 de dezembro de 2006

O João Dela***

Tinha o Seu João lá fora
Todo derramado na velha cadeira
Seu balanço não era de agora
Cansado debaixo da macieira

Dona Rosa molhava o avental
Lavava a louça passada na pia
Nem parecia véspera de Natal
Olhava para o sol que ardia

Seu João deitara na grama alta
Observava os pássaros nos galhos
Mas não descansava, sentia falta
E da cozinha, o cheiro forte de alho

Dona Rosa sabia do gosto do Seu João
Preparava tudo com carinho
Não precisava de data, fazia de coração
Prometeu para si que nunca o deixaria sozinho

As rugas do velho desenhavam um sorriso
Dona Rosa sabia para quem era
A mesa já estava posta como aviso
O verão descansava a primavera

Mas Seu João guardou a última flor
Ofereceu uma singela margarida
A casinha se encheu de amor
Uma flor para o amor da sua vida

Olhos marejados no rosto corado de emoção
Dona Rosa sempre soube que aquele Seu João
Era o verdadeiro dono do seu coração
Simplesmente sabia que aquele era o seu João!

terça-feira, 19 de dezembro de 2006

Papel para Sempre***

Cada dia que vai
Levo teu cheirinho tão doce
Pela noite que cai
Espero sentadinho pela pose

No banco de madeira no parque
Olhando para o céu estrelado
Esperando na beira até tarde
Ajeitando o chapéu meio de lado

E na inquietação dos joelhos
Que tira a atenção dos olhos d'água
Poça no chão que fingiu espelho
Vira atração nos olhos de mágoa

Dois pingos de prata sem alma
Em ondas que brotam dos passos
Lá vêm vindo apressada, sem calma
Nas sombras que disfarçam os traços

O banco de branco, madeira vazia
Vê par de anéis que inspira presente
Um sorriso esparramando na beleza que eu via
E os papéis sobre a mesa que nos juntam para o sempre

quarta-feira, 6 de dezembro de 2006

Dorme em Mim***

Dorme dentro de mim
Esqueça as palmeiras dançantes
A brisa traz teu sono enfim
Põe paz em teu semblante

O ranger da porta confunde o som
Meu peito se enche com teu ar
E te amar só poderia ser um dom
Presente de Deus foi te encontrar

Dorme sobre meu coração, feliz
Adormeça por inteira, meu amor
Brilha em sono sereno para mim
Supõe teu céu que me trouxe teu sabor

Meu bem querer, sem ti não sou
Invento-te em minha mente, um mar
E não despertar desse sonho bom
E do nosso amor, nasceu um lar

quinta-feira, 30 de novembro de 2006

Diferentes dos de Ontem***

Não lembro dos dias
Aqueles em que o sol fingia
Brilhava, imitando poesia
Aqueles velhos dias

O teto sem azul, sem cores
Os olhos de quem cegava as dores
Queria ver um campo repleto de flores
Fazia fotos desejando novas poses

A memória daqui é tão pequena
Nem sentido faz, inventa
Histórias de algumas poucas cenas
Nem sabia que existia uma morena

Os dias mentiram uma vida
Fizeram crer numa fantasia
Dias distantes, idéia fingida
Diferente dos de hoje, minha querida

Trouxe amor que ninguém sentiu
Colorindo a manhã primaveril
Desvendou-se para mim na força de um rio
Mostrou-se em ti, bela moça, no instante em que sorriu

sexta-feira, 24 de novembro de 2006

Bom Dia sem Você***

Um pedaço de pão molhado de café
A flor já murcha ao lado da colher
A bandeja que lhe trouxe esquecida
Ainda sinto teu calor na cama vazia

O sol faz a manhã não esquecer que é dia
Deixa sua cor nas rendas da cortina
Um casal de pássaros, da árvore, sorri para mim
Meus lábios não se mexem, meus olhos sim

Nadam por entre rios em busca de ti
Aquele anel que me deste continua aqui
Finjo estar bem por não saber por onde andar
De novo você não veio e sei que não vai voltar

Tuas jóias e teu perfume preferido não estão mais lá
Nos armários sobraram o vazio e apenas um colar
Sei que morrerei de saudade dos nossos dias
Sei que viverei a saudade até o fim dos dias


*Escrito nas primeiras horas de outubro..

quarta-feira, 15 de novembro de 2006

Meu Amor***

Meu amor não tem mais jeito
Parece não mais me obedecer
Nunca imaginei que seria tão perfeito
Um sol só para nós, eu e você

As primaveras nunca mais
Serão as mesmas de vezes passadas
Lá, faltava-me uma flor para me trazer sua paz
Uma que fosse a mais delicada

Noutro dia pela manhã, ao abrir o jornal
O preto no branco me fez entender
Tudo que existe procura um final
Meu amor, então, encontrou você

Meu amor já repousa no seu colo
Sabe que, para sempre, será feliz assim
Meu amor não ousa largar dos teus olhos
Sabe que nunca mais terá amor sem fim

De dias frios e quentes que virão
E toda tarde de outono que aparecer
Terei teu corpo mais quente que o verão
Meu amor sabe que não existe sem você

quinta-feira, 9 de novembro de 2006

Sem Fim***

Você é sem fim
Você não acaba
Nem passa
Está dentro de mim

Você é como luz
Você é ar que respiro
De que nunca desisto
Está no meio do azul

Voc é meu tudo
Você é calmaria
Por toda a vida
Meu olhar mudo

Você é toda flor
Você nem deve existir
E ao te ver sorrir
Sinto todo o amor

Você é quem me diz:
"Amor, eu te amo!"
Meu doce encanto
Você me faz feliz

sexta-feira, 27 de outubro de 2006

Mar***

Descansa na pedra em frente ao mar
Mar infinto de flores
Ondas desmanchando no ar
Mar impossível não se encantar

Mais um dia de sol para você
Mar imaginário de sabores
Nuvens que deveriam chover
Mar infindável para ser

Folhas de romance à luz de vela
Mar e suas ondas espumantes
Mariposas dançantes na aquarela
Mar e as noites já tão belas

Mar e o seu canto de rouxinol
Mar invisível de diamantes
Mar e a certeza no brilho do sol
Marinheiro sentado em frente ao farol


Escrito em dias passados,
Sentimento presente
Sempre..

terça-feira, 24 de outubro de 2006

Vida***

Que quando o telefone tocou
As pernas titubearam
E quando teu nome piscou
Os olhos brilharam

E te respirar é o que me deixa viver
Carrego-te na alma eternamente
Passo, então, a perceber
Enxergo um mundo em minha frente

Não importa para qual direção olhar
Quantos sabores vou sentir
Se tudo que existe, de você, faz lembrar
Nem mesmo o que é triste, far-me-á desistir

E no peito, guardo a saudade
Ao lado da tua imagem, por vezes distante
Sou um apaixonado de verdade
Pensando no meu amor a todo instante

Já não me imagino sem um pedaço
Pedaço que me faz feliz por ser você
Ainda sinto teu brilho em meus braços
Sei que a vida, sem você, nem vida pode ser

sexta-feira, 20 de outubro de 2006

Filme***

As luzes são metade neste quarto
Os momentos são lembrados
Havia uma canção para cada ato
O tempo só é bom ao teu lado

Então você está vestindo o sol
Recortei uma manchete de jornal
Vem você desatando mais um nó
Poderia ficar lendo até o final

Mas está na melhor cena
Olhos nos olhos e corações se apertando
Um romance de cinema
Boca na boca e respirações aumentando

Daqui não saio mais!
Fugiríamos sem precisar de crime
Contigo encontro-me em paz
Poderíamos viver um lindo filme

domingo, 15 de outubro de 2006

Como pode?***

Como pode uma senhorita não sonhar?
Se tentar lhe mostrar é o mesmo que amar
Amar de modo absoluto sem pensar
Sem querer ao menos deixar

Como pode a onda não beijar a areia?
Banhar a cauda daquela sereia
Girar em torno de si, volta e meia
Tirar sangue da tua veia

Escuto tua voz na minha cabeça
Gritando palavras de ódio e amor
Pedindo-me beijos antes que adormeça
Entortando pétalas furta-cor

Como pode duvidar do meu querer?
Se é você que me mostra o nascer
Que sem você só penso em descer
Que sem você não há por viver


Escrito há 3 dias

quinta-feira, 12 de outubro de 2006

Eu, Você e o Infinito***

Acordei com teu sorriso nos meus olhos
Pensei em fechá-los para não se perder
Folheei álbum para contemplar tuas fotos
Abraçei teu retrato para não te esquecer

E quando chego ainda sinto teu cheiro
Espalhando flores por toda casa
Perfume de tulipas que chega primeiro
Percorre corredores até chegar na sala

E deixo a porta aberta para você entrar
Só de pensar meu coração dispara
E não suporto um dia sem te olhar
Só de imaginar meu coração pára

Não vou esperar você ir embora
Vou te levar além do destino
Onde possamos ver tudo de fora
Seremos eu, você e o infinito

Bom Dia sem Você***

Um pedaço de pão molhado de café
A flor já murcha ao lado da colher
A bandeja que lhe trouxe esquecida
Ainda sinto teu calor na cama vazia

O sol faz a manhã não esquecer que é dia
Deixa sua cor nas rendas da cortina
Um casal de pássaros, da árvore, sorri para mim
Meus lábios não se mexem, meus olhos sim

Nadam por entre rios em busca de ti
Aquele anel que me deste continua aqui
Finjo estar bem por não saber por onde andar
De novo você não veio e sei que não vai voltar

Tuas jóias e teu perfume preferido não estão mais lá
Nos armários sobraram o vazio e apenas um colar
Sei que morrerei de saudade dos nossos dias
Sei que viverei a saudade até o fim dos dias

*Escrito nas primeiras horas de outubro..

quinta-feira, 5 de outubro de 2006

Anjo que Guarda***

Sou anjo na parede escura
Um quadro esquecido no alto da cama
Sei que sou o espelho da pintura
Segundo entre a faísca e a chama

Ele se deita e nem me vê
Às vezes perde os olhos no breu
Às vezes deixa a luz da TV
Vez ou outra abajur que esqueceu

Ele ora e sorri para ela um sorriso bonito
Diz para mim que vai encontrá-la
Esquece da hora e revela um amor infinito

Então sou a força e desejo que ele pede
Não ponho fim no sonho de amá-la
Sou anjo que guarda amor que não se mede.

quinta-feira, 28 de setembro de 2006

Um Lugar no Teu Jardim***

Hoje é quinta-feira de paz
O sol na cortina de pano
Sentado na beira do sofá
Um som que vinha do piano

No ranger da porta
Passos de bailarina até mim
Dois saltos, uma volta
Faço uma rima sem fim

Setembro já vai indo
Dai-me as flores perfumadas
Só desejo vê-la sorrindo
Dai-me as cores costuradas

Pinta meu azul com teu vermelho
Jogue teu olhar sobre mim
Reflita tua luz neste espelho
Mostre meu lugar em teu jardim


*escrito há quatro dias

segunda-feira, 25 de setembro de 2006

Não Existo Sem meu Brilho***

Um dia tão sem graça
Não adianta o que eu faça
Congelo na dor que não passa
Sei que preciso estar com você

As paredes vazias e sem graça
Não me encanta nada que eu faça
Espero por um tempo que não passa
Sei que já não existo sem você

Um lugar frio e sem graça
Não me espanta que eu nada faça
Desenterro a solidão que não passa
Sei que, aflito e perdido, estou sem você

De repente surge cheia de graça
Não cansa de brilhar, não importa o que faça
Pinta de amarelo dourado por onde passa
Sei que o meu brilho é você!

sábado, 23 de setembro de 2006

Na Primavera***

As árvores acordaram agitadas
As pessoas parecem cansadas
Nuvens no céu
Fumaça na janela

Pássaros rodeiam as paradas
As cores permacem misturadas
Ferrugem no pincel
Espalhada pela tela

As luzes não mais apagadas
Deixe as cortinas fechadas
Deixe cair o teu véu
Vamos pôr fim nessa espera

A lua se faz encantada
Deixe vir estação esperada
Deixe-me sentir o teu mel
Venha para mim na primavera


*Escrito em dias passados

domingo, 17 de setembro de 2006

Uma Garoa, Um Encontro***

Sem saber da garoa que se aproxima, segue na rua
Sempre na vida à toa, nas mesmas esquinas, sem lua
O homem caminha a passos lentos, sem direção
Esbarra numa jovem sozinha, momento de desatenção

Procura pelo sorriso que um dia já lhe pertenceu
A chuva é só um aviso do que havia e se perdeu
Tão bela face com o queixo enterrado no peito
A mão dela, de um jeito acanhado, no cabelo

O velho sapato, agora molhado, encarava a sandália
O reflexo dourado, pendurado, lembrava medalha
A moça e seus olhos que seguiam o enrolar dos dedos
A poça era como foto que dividia o encontrar dos segredos

A garoa vai dando lugar a ventania da madrugada
A coroa cai, deixando chegar a covardia esperada
Abre-se a avenida e os destinos são tomados
Partem da esquina com os sorrisos estampados

sábado, 16 de setembro de 2006

Sim, Adoro***

Sim, adoro...

Aquele ciúme que existe
A música que lembra você
A discussão que você desiste
O olhar que não fez ao me ver

O som das risadas que vejo
Os dias felizes que nascem,
O tédio enquanto não leio um beijo

Enfim, adoro...

Aquele ciúme que tenho e persiste
A música que me lembra sem querer
A discussão que, as vezes, deixa triste
O olhar que não fiz ao te ver

O sentimento vencido pela teima
As noites acordadas que se fazem,
A certeza de que, para mim, foi feita

No fim, adoro!

segunda-feira, 11 de setembro de 2006

Eterna Criança***

Eu vou à praia soltar pipa
E para a rua girar pião,
Vou escolher uma tulipa
Depois brincar de avião

Eu vou pular amarelinha
Pular até chegar no céu,
Bater figurinha
E girar no carrossel

Eu vou no carrinho de bate-bate
Depois comer algodão doce,
Vou me lambuzar de chocolate
E para a foto, fazer pose

Eu vou rabiscar a parede do quarto
Logo depois de encher a pança,
Ir na roda gigante, gritar lá do alto:
"Vou, para sempre, ser criança!"

quinta-feira, 7 de setembro de 2006

Toda Palavra, Uma Alma***

Nomes a serem cantados
Envelopes a serem selados
Nos pés, a lã que aquece
Sem fé, em manhã de prece

Uma brisa que pede passagem
Descobre chance numa fresta
Desliza sobre a pele em viagem
Sopra distante do que resta

O antigo caminho de folhas secas
Esconde espinhos de outras cenas,
Permanece na cabeça que delira
Desaparece na certeza da mentira

E nem a chuva pode arrastar
Passadas largas que almejam o sol
Vem a pintura só de pensar
Passa e abraça os que festejam só

Os ponteiros juntos na calada da noite
Candeeiro escuro na beirada da fonte
Luz calma que recria teu brilho no papel
Lua calada, imita teu sorriso no meu céu

segunda-feira, 4 de setembro de 2006

E Me Engasga Com Tua Boca***

Sou do tipo que o tempo tapa
Um molho que molha a gente
Não finge tingir e atinge o presente
E se afoga no fogo que não apaga

Chama-me pra chama da tua cama
Vem pra junto, junta a gente, junto!
Manda-me mudar teu mundo
Clama e me acalma, diz que me ama

É sombra que me assombra e sua sobre a mesa
Cai lento sobre o leito aquele lenço
E aqui venta e te invento no que penso
Nobre é o que cobre e descobre a beleza

Ouço da moça que a ousadia é pouca
Aperta-me contra a porta entre aberta
E te trago em meus braços sem trégua
Rasga a roupa e me engasga com tua boca

Não deixo que teu feixe de luz me deixe
Vai aprender a prender-me em teu coração
E dos beijos que não vejo e desejo a sensação
É sol que salta e solta no azul da minha mente

segunda-feira, 28 de agosto de 2006

São Tiros***

Dias em que as nuvens se abraçam,
Em frente ao espelho, nada além
E aquele vermelho fez-me refém
Dos dias ausentes, que só passam

É nesse estado de sofrimento
As palavras acontecem
São claras mas desaparecem,
Ele sempre deixado ao relento

Equilibro-me na ponta da estrela
Ameaço uma loucura, atirar
Atiro-me na cauda de um cometa

Aponto minhas armas, então finjo dissabor
Desfiro tiros para, em ti, acertar
Escondo as balas, estes são tiros de amor.

quinta-feira, 24 de agosto de 2006

Luz Infinita, Brilho Intenso***

Ele está atrás de verdes campos
Ele se perde em meio aos encantos
Pode ser noite ou dia, sem lugar
Não consegue esquecer aquele olhar

Luz infinita, brilho intenso
Luz infinita, brilho intenso

Saber que essas cores de algodão
Sairão feito flores do chão
Ele a costurar seu peito no dela
Ela a deixar seu beijo na janela

Luz infinita, brilho intenso
Luz infinita, brilho intenso

Ela se esconde em diferentes cantos
Ela desaparece em meio aos prantos
Foge à fonte que fazia acalmar
Então percebe que ele está a amar

Luz infinita, brilho intenso
Luz infinita, brilho intenso

Ela, a resposta para sua questão
Uma aposta contra a paixão
Ela a pensar no amor que dera
Ele a aguentar a dor da espera

Luz infinita, brilho intenso
Nao acaba, não acaba...

quarta-feira, 16 de agosto de 2006

A Resposta e o Adeus de Maria***

Bom, é isso! Não tem mais jeito
Juro que tentei gostar de você
Desisto! São palavras sem efeito
O muro que levantei não é de sapê

Esse meu abraço, uma dó, nunca foi teu!
Se quer saber, nem do teu cheiro eu lembro
Nunca existiu um laço entre nós! Esqueceu?
Essa mulher casa no primeiro sol de setembro

Isso mesmo!
Vou juntar os trapos com o meu amado
Aquele mesmo que te falei
Sem segredo!
A paixão de infância, o primeiro namorado
Serei o tal sorvete que nunca te dei

E nem tente me confundir
Sei que sua prosa é boa, mas é ensaiada
E não pense que eu não quis fugir
Bem sabe que aquela rosa já veio desbotada

Agora você fica aí, feito bêbado sem rumo
Então, que feche os olhos e procure suas nêgas
Fui embora sim! Tão perfeito que larguei até o fumo
Já andei até de avião! Pastel sem óleo e almondegas

Sei que está aí, mas não quer atender.
Sinto o bafo!
Aproveite, pois a minha voz, não mais ouvirá .
Entendeu?
Sei que, na secretária, vai cair. É para você!
E fim de papo!
Aceite e depois verá o mal que havia em, por nós, sonhar.
Adeus!

...

Alô? Maria? Sou eu...
Desligou!

domingo, 6 de agosto de 2006

Horas Para Viver***

É na primeira hora da alvorada
Quando o jornal bate à porta
E as cortinas brancas ficam douradas
Quando o quintal, de luz, transborda

É hora de puxar a cadeira que descansa,
Largar o copo vazio da noite passada,
Limpar a caixa de madeira, empoeirada
Deixar o sol queimar, sentir a bonança

É nessa hora que as fotografias são vistas
Os dedos deslizam sobre a velha imagem
No cinzeiro , o cigarro aceso convida
E os olhos cerrados em meio a esta viagem

É chegada a hora, a última hora
Aquela em que as fotos se abraçam
Um último trago e é jogado fora
São retratos de fogo que se entrelaçam

Ainda há tempo para ajeitar o chapéu
Abrir os olhos, olhar para as horas sem você
Contemplar as cinzas que voam para o céu
Sair do passado, abraçar o agora e viver

sexta-feira, 28 de julho de 2006

Para Você***

Entrego-te todos os meus sorrisos
Todos os olhares
A mais alta estrela e seu brilho
Todos os mares

Dedico-te a canção mais bela
O verso mais apaixonado
Todas as cores da primavera
O sonho mais encantado

Dou-te os pássaros e o azul do céu
As margens, os riachos e os ventos
Todas as belezas retocadas com pincel
As paisagens, as montanhas e o tempo

Trago-te a ilha perdida e a luz do farol
Todos os caminhos, todo o calor
As flores, a brisa, a lua e o sol
Todo meu carinho, todo o amor

sábado, 22 de julho de 2006

Parado no Tempo***

Perdido em meio aos seus desatinos
Estou caindo pelo precipício,
Amparado por nuvens sem destinos
Sou fardo sem fim nem início

Teu feitio se renova a cada estação
Congela as almas em fina chuva,
Dá-me o brilho do sol e folhas no chão
Seca as lágrimas com flores na rua

Põe rugas no rosto da princesa
Ruboriza de branco os fios meus
Veste luva para esconder a fraqueza
Ironiza o encanto dos olhos teus

E assim vai passando, infinito
Não existe trégua nem alento
Não se pode parar, vai seguindo
É triste estar parado no tempo

terça-feira, 18 de julho de 2006

Era eu e você***

Era eu e você passeando pelo jardim
Sentindo os pés descalços sobre a grama
Era eu e você desfrutando do fim
Vindo de lá, ouvindo o nosso samba

Era eu e você a descobrir o sabor do céu
Contar as nuvens e sentir queimar o sol
Era eu e você a colorir o amor em papel
Rasgar as dúvidas e sair a cantar como um só

Era eu e você assistindo aquela insana TV
Abraçados como quadro e moldura
Era eu e você assistindo a bela manhã nascer

Era eu e você a sonhar até não mais querer
Até me convencer de que há dor sem cura
Até o vazio desistir de encher

Era eu sem você...

terça-feira, 11 de julho de 2006

O Afago da Maria***

Ei Maria!
Vou falar logo que preciso do teu afago
E não minto quando digo:
"Maria!
Não me esqueço do teu abraço!"
Sabia?

Vou trocar o mar pelo rio
Essas ondas que vão e voltam
Nunca te trazem!
Passo a odiar esse meu jeito vil

Maria,
Estive pensando na vizinha
Você não acha ela meio chata?
Mesmo assim adoro as suas palavras
Mas às vezes fica falando sozinha
Vai entender

Vou parar de beber a saudade
Sei lá, fica matando a gente
Ai Maria, não te quero mais ausente!
Pode voltar para pintar minhas tardes!

Ô Maria,
Desde aquela sua partida
Os dias não tiveram mais graça
A cadeira lá no Zé está sempre vazia
E a nossa chaminé não solta mais fumaça

Vou desligar senão é corte na certa
Mas lembra que não esqueço seu abraço
Inventa uma desculpa aí, diz que tem festa
Espera ele deitar e se solta desse laço

Ah! Maria?
Só mais uma coisa, é rápido!
Não esqueço de você e nem do teu abraço!
Tô precisando tanto do teu afago
e também dizer que...

Maria?
Caiu...

sábado, 8 de julho de 2006

Fim da Metade***

Deixo o resto de café para depois
Ponho-me à tirar a mesa desse jantar
Empresto a fé para nós dois
Sonho com o brindar que não virá

O vento frio que vem da porta
A água que molha o seu cabelo
Está vendo? Nada disso me importa
Nem mágoa, nem hora, nem medo

Deixo que o lume da vela se vá
Fecho as cortinas para as estrelas
Sinto, no teu perfume, aquela paz
Meço nas rimas tão bela princesa

Sou rouco grito que chama por você
Quero, dos teus braços, fazer parte
Tampouco imagino-me sem te ter
Entrego-me, pois sem ti sou metade

Senta aqui do meu ladinho, vai
Agora que estamos vivendo este fim
Esquenta-me um pouquinho mais
Já estou morrendo dentro de mim

quinta-feira, 6 de julho de 2006

Enquanto Não Chegava***

Ao som da espera
Quem bate é o sino
Tua voz é meu hino
O tom da quimera

As horas aflitas
A ciranda dos ponteiros
Já é quase o tempo inteiro
Vou embora sem as fitas

O peito já quieto
Borboletas calminhas
Tuas lembranças nas minhas
Sem tê-la aqui por perto

Então o balé dos teus pés
Teus olhos a dançar
Teu rosto a me encontrar
Tive razão, pois linda, tu és

quinta-feira, 29 de junho de 2006

O Abraço do Menino***

O menino descansa
Deitado, faz do céu um espelho
O sol se levanta
Cobre de luz o teu anel vermelho

O menino tem seus olhos fechados
Um sorriso e pés descalços
O calor ao lado,
A mão dela em seus braços

O menino já não se cansa
Amado, pinta de amor o seu peito
E só ela o encanta
Descobre no azul do céu, seu desejo

O menino, nela, quase inclinado
Faz sombra no fulgor dos lábios
Olhos abertos, versos dourados
Tão bela, um beijo e um abraço apertado

quarta-feira, 28 de junho de 2006

Flor na Sacada***

Uma senhorita que vem sorrindo
Uma dama que caminha em devaneios
Balança teu lenço, tão lindo
Chama que acende em segredo
Sopro de vida em um beijo
Flor, que na sacada
Dança, calada, ao som do vento
Amor que brilha já sem jeito
O coração voando, eu a observar
Esperando o dia em que , aqui, pousará

sábado, 3 de junho de 2006

Como Lago Azul***

Um beijo para quem quiser
Um sonho, uma mulher
Beleza em forma de desejo
Ponho na mesa teu café

Nuvem de flor no meu céu
Chuva de amor feito véu
Na parede, retratos se confundem
São plumas ao vento, sabor mel

Um toque sensível nas tuas mãos
E os olhos clareados de atenção
Azuis como o lago em que me afogo
Tendo-me invisível, rumo ao chão

O nó na garganta que me abraça e sufoca
É o mesmo que me prende à sua volta
Tento guardar-te em viagem que se passa,
Mas vem o tempo, que se adianta e fecha a porta

quinta-feira, 1 de junho de 2006

Presente do Vento***

Era dia,
um frio intenso
Era uma tarde sem sol
Dia sem arte,
uma dó
Havia pouco riso, muito vento

A dança das folhas secas no jardim
Espiada pelo balançar dos galhos..
Na rua,
a criança vestia os retalhos
Na esperança da cura
de uma dor sem fim

O vento teimava em gritar
Janelas foram sendo fechadas
Nada o fazia parar!

Nesse momento,
passos!
Todos em direção ao jardim
Veio em tom verde fraco,

E assim,
entregue pelo vento
Foi teu presente para mim

domingo, 28 de maio de 2006

Tempo de Te Encontrar***

Duas portas abertas
Um convite para dançar
Quase uma volta completa
E um brinde do lado de lá

O som daquelas lágrimas
E os risos para disfarçar
Nas mãos dela, as páginas
Um livro que a faz chorar

Nessa casa que abriga meu bater
A ausência teima em ficar
Uma peça divina sem meu querer
Diferença que ajeita meu lar

Todo esse tempo, fez-se um segundo
Um sofrer ter que esperar
Triste momento, sem fim nem fundo
Sem saber quando encontrar

sexta-feira, 26 de maio de 2006

Jogo de Luz***

Sentemos aqui frente ao fogo
Vê aquele laço cor de esquecimento?
É lembrança daquele jogo
Jogo sem rumo, sem momento

Lá da janela ainda vejo a sua sombra
Em meio as outras, é a mais forte
Mas se olhar muito, sentirá o vento contra
É estranho, era um jogo de sorte

Se para cima olhar,
Verá luz se aproximando
Foi ela que nesse tempo, iluminou o meu caminhar
Você não voltou, estive esperando

Agora é essa luz que me encanta
Não se preocupe em se lamentar
Vivo nessa hora, de uma nova esperança
É luz que vem voando para cá

quarta-feira, 10 de maio de 2006

O que Houver***

Pegar-me sorrindo é tão natural
Olhando para o teu retrato
Imaginando o nosso carnaval

Levar-te para a montanha
A mais alta que houver

Abraçar-te por um instante
Infinito istante, surreal
Sentir o calor de tão bela mulher

Beijar-te e contigo ficar
Para sempre eternos amantes

Olhar-te é o meu estar, o meu viver
E haja o que houver no final
Pois não consigo parar de pensar em você

segunda-feira, 8 de maio de 2006

Perfeito***

Os olhos abertos depois
Nada conseguem ver
Luz que ofusca o incerto, pois
Fechados só enxergam você

Aquelas estrelas reluzentes
Nada mais significam
Belas uma vez, agora decadentes
Sem vida, não brilham

Esqueceram-se os beijos
O sofá já não nos abriga
Esconderam-se tão cedo
E o cantar já não me anima

Foi-se então um coração
Restou dor naquele peito
Lamentações, todas em vão
Acabou-se o que era perfeito

quinta-feira, 4 de maio de 2006

Vem pra me Amar***

Vem cá, vem!
Vem me dar aquele afago
Vem cá!
E deixa de lado aquele estrago
Vem ver o que há além
Vem me namorar!
Vem que eu não estou bem
Vem pra me amar!
Vem cá, vem!

segunda-feira, 1 de maio de 2006

O Vagabundo***

Sobriamente queria estar
Aquele vagabundo que vem lá
Diferente de noites passadas
Bebedeira que nem ressaca dava

E como andava feio, aos tropeços
Fazia da sarjeta o seu endereço
Ele era outro e não se importava
Por onde ia, seu copo o acompanhava

Quando a luz da manhã chegou
Os olhos do chão ele tirou
Seu rosto amassado, queimava
Lembranças da noite não carregava

Cabisbaixo, meteu a mão no bolso
Aliviou ainda mais a gravata do pescoço
Puxou um último cigarro, pensava
Pela calçada amarelada, caminhava

Sobriamente queria estar
Aquele vagabundo que vem lá
Seus pensamentos, só nela estava
Na vodka! Naquela garrafa!

quinta-feira, 27 de abril de 2006

Cor de Vinho***

Bem longe, bem adiante
Um nome vem radiante,
Vem com sol e calor
Tem dó e muito amor

Letra minúscula na frente
Estrela insegura e indecente
Com reticências no final
E aparência de jornal

Cor de vinho suave
Que ficou sozinho em frase
Um abraço dando sentido às aspas
E um laço colorido na capa

Páginas sem numeração
Molhadas de lágrimas em vão
Dois pontos e um sorriso
Já estou pronto e indeciso

Um pouco calado nesses dias
Ouço um ditado sem rimas
Sei que não me faço em parágrafo
Mas numa interrogação eu me acho

terça-feira, 25 de abril de 2006

Desabando e Caindo, Sustento-me***

Trovões e gritos sujam de medo
O corredor por onde veio
Paredes descascadas sem quadros
Conflitos num seio desabitado

Manchas de solidão e desespero
Fendas desenhadas com desprezo
Vento encanado que ameaça o lume
E a podridão a completar o negrume

Céu inquieto, dançando ao som do tango
Dúvidas em nuvens formando um oceano
Seres e mitos sonhando com a verdade
E espectros que a seduzem à sua maldade

Sussurros do chão confundindo
Tudo ao redor desabando e sumindo
Entre as estrelas que sobrevivem ao tempo
Vultos te mostram e em ti me sustento

sábado, 22 de abril de 2006

História, Uma Vez Lá Fora***

E tantos contos se fizeram
Alguns poucos souberam
Prantos outros derramaram
À luz do fogo se queimaram

Beijos despedaçados na memória
Faço-me apaixonado em história
Vejo ameaçado, o tom da vitória
Ouço em tom desgraçado, essa glória

Condenam àqueles que amam
Condenados por eles! Que sofram!
Encenam parênteses em vão
Enganados pelo ciúme! Perderão!

Deixa de lado, ao meu lado, a senhora
Esqueça do rancor de nao ser amado agora
Paixão sem cor, amargurada, notória!
Cresça pelo amor que uma vez sentiu lá fora!

O Dia "D"ele***

Ele fez anos
A sorte e o azar...
Sofrendo de desencantos
Quase morte de lá

Agradeço por ser amigo,
Por ter mãos sinceras
E bebo por ser querido,
Palavras de emoção à espera

Não gosto quando finge
Vive de sonhos e fantasia
Não posso, pois me aflige
Insiste em vestir a alegria

Mais uma vez se repete
Aprenda! Diga! Brigue!
Dessa vez não espere,
Entenda! Sorria e respire...

quarta-feira, 19 de abril de 2006

O Poeta Ausente***

Aquela ponte enfim teve seu final
O caminho ficou estreito, deficiente
Tão bela fez-se em mim, surreal
Carinhos ao relento, presente

Pensamentos e devaneios realizados
Obra prima, arte final, pintura
Momentos de prazer ao seu lado
Olhar em rimas, parte da moldura

Brilho intenso, paixão aflorada
Segredos e encontros escondidos,
Sorriso imenso, emoção escancarada
Medos e contos proibidos

No fim, saudade, beijos de despedida
O poeta ausente, não acordou, nem se fez
Emfim, verdade, desespero na partida
A porta aberta, mostrou a dor mais uma vez

terça-feira, 11 de abril de 2006

O Retrato***

Sinto teu perfume cada vez mais perto
Abro a gaveta e toco seu rosto em fotografia
Fito um vagalume num céu deserto
Reparo uma estrela, logo vem o gosto da magia

O céu tem chuva nobre, quase assim, parada
A lua não se faz, em meio as montanhas, esconde-se
O véu da viúva encobre a face no fim da estrada
Numa paz, feito estranha, vem lá de longe

Vem contornando as poças no jardim
Teu sapato, ensopado, clama por repouso
Vem caminhando a moça para mim
Teu retrato, marcado pelas chamas, largar não ouso

Abro a porta, trêmulas estão as mãos
O jeito leve que tem, faz teu manto desfalecer
Olho em volta, vejo paixão, emoção
Beijo sua pele, pois sei que meu encanto é você.

sexta-feira, 7 de abril de 2006

Os Quatro Cantos***

A cor é vermelha
Com arte se assemelha
Uma beleza feminina
Fez-se o canto da menina

Chegamos em meio as cores
Alegria, canções e flores
No entanto tulipa é a favorita
É o canto da menina das fitas

Felicidade em forma de retrato
Fotografias, sempre um relato
Existe um campo florido e grande
Um clique no canto do sorriso contagiante

Versos trazidos pelas borboletas
Um sorriso escondido, cor de violeta
Tem natureza, um encanto feliz
É a beleza do canto da miss


*Sei que mais cantos se fazem..
Muitos cantos, muitos encantos, escolha o seu!*

domingo, 2 de abril de 2006

Primeiro Encontro***

E sentado naquele banco
Permanece o moço de branco,
Chapéu no colo
Relógio no bolso

O sol escaldante do meio dia
A praça calada, vazia
Ele levanta, caminha
Pára, fita

No meio do verde, uma rosa
Vem desfilando toda vistosa
Laço no cabelo
Sem pressa, sem hora

Passos delicados, contados
Canção nos lábios pintados,
Caminha a bailarina
Ao encontro do primeiro namorado.

sexta-feira, 31 de março de 2006

O Gosto da Miss***

Ela gosta de dormir,
de ler e de pintar!
Gosta de sair!
Gnomos e desenhar!

Sabonetes perfumados,
Flores e geografia
Filmes, documentários,
deuses e biologia

Gosta de falar sozinha
Cristais e carinho
Meditar, sua família,
Música, arte e amigos

Gosta de chocolate, de incenso!
das palavras:
Sublime, psicodélico e desejo!

Gosta de latim,
De escrever e de beijar,
Pronto!
O gosto da Miss!

quarta-feira, 29 de março de 2006

Nem Tudo é Lindo***

"Hummm
Vejo pintura,
ao fundo clarão..
Ouro na moldura
Só não vejo o chão..
Está a voar??
Gavetas, mesa
Onde está aquela beleza??"


PS. Descrição de uma foto...

domingo, 26 de março de 2006

Coração em Festa***

O coração dela está em festa!
Muitos entes com presentes
Não fui convidado, fico na fresta
Poucos ausentes, memória recente

Muita bebida, muito chá,
Chão brilhante, parede pintada
Não há saída em nenhum lugar!
Sapatinho dançante, saia rodada

Música boa, muita diversão
No fundo, vermelha, uma cortina
Atrás, mistério e ilusão
Um mundo feito de serpentina

Não há espaço para o vazio
Porém no canto, uma imagem,
Uma pedra que desvia o rio
Aos prantos, sem ter passagem

Em meus pensamentos, uma supresa
Daqui, tento encontrar nexo
Silhueta que me causou estranheza
Meu Deus! Meu reflexo!

O Silêncio na Rua das Cinzas***

Todas as noites, a mesma vista se faz
Monotonia, vazio, medo
Um sossego incomum que na tela não se desfaz
Não há alegria, não há enredo

Silêncio...

Vez ou outra um carro estacionado,
O andar faceiro de uma gata,
O desfile de melancolia do cachorro abandonado
Em noites onde a lua se faz ingrata

...na rua...

Um casal perdido de namorados
Que se encontram num beijo às 3 da manhã,
Despedem-se quase que atropelados
Pelo fim do hoje que já veste o amanhã

...das cinzas

Os primeiros raios de sol surgem,
O sono incomoda, deixa-te lento,
Os olhos parecem cobertos por nuvens,
Até que o dia acorda e vem rompendo...

O silêncio na rua das cinzas!

sexta-feira, 24 de março de 2006

A Menina Muda, O Amor que muda, A Muda de flor!

A menina provocou o Amor
Fez dele muda de flor,
Deu a ele direito de escolher:
- Florescer ou morrer?

O Amor desatou à chorar
Poderia sozinho ficar?
A menina decidiu por sofrer,
Tanta dor sem entender

Machucada, a muda falou:
- Não quero ser muda! Chorou!
A menina emudeceu,
Muda permaneceu, assim como eu

Após o silêncio em que ficou:
- O Amor muda! - Exclamou
Confuso, retrucou o Amor:
- Amor? Muda de flor?

A menina triste, desabafou:
- Qual flor não importa! e completou:
- Só importará se florescer!
Se florescer, saber crescer!

O Amor, grande como é, disse:
- A muda não mais existe!
A menina surpresa, ainda ouviu:
- O Amor já floresceu e ninguém viu!

A menina, diante do fato, quis se cegar:
- Não ouço em meu jardim, a flor declamar
O Amor então declamou com amor:
- "Sou Amor mudo, flor muda, muda de flor!

Nervoso, titubeou , continou como flor:
- Muda de flor que muda, fala de Amor"
A menina encantada olhou, pensou:
"O Amor é tudo!" e um beijo, o Amor ganhou.

segunda-feira, 13 de março de 2006

Visão da Flor***

E lá no meio do jardim,
Está a flor da qual lhe falei,
Formosa, sorrindo para mim
Pomposa, igual a que te dei

Em volta, a grama rasteira
Que, pela sombra das nuvens no céu,
Era manchada por inteira
Como nódoa de ferrugem em papel

Já o vento que a fazia dançar,
Tão suave, de maneira natural
É o mesmo que fez seu cabelo esvoaçar
Deixando selvagem, sua beleza surreal

À testemunhar esse acontecimento,
O canto do vaidoso beija-flor,
As águas do riacho em movimento
E a inocência do nosso amor!

sábado, 11 de março de 2006

Soneto para Sonhar***

E o dia se fez tão lento
A alegria não teve efeito
A fina chuva não cessou
A pluma não levantou

Caiu a noite devagar
A lua não pode se mostrar
O calor ainda se fazia
E a dor da ferida, crescia

O tilintar na mesa do jantar
Uma tristeza repentina
No apagar das luzes, um pensar

O sono vai chegando, vou deitar
As pápebras vacilam sem querer
Vou dormir, para contigo poder sonhar

quarta-feira, 8 de março de 2006

Mulher***

Um beijo, mulher!
Razão do viver
Amor, amar, querer
Um beijo,
Mulher!
...

segunda-feira, 6 de março de 2006

Sinal Fechado***

Sapatos impacientes
Dançam num ritmo só,
Mãos no bolso quente
Fazem dos dedos um nó

Do lado de lá, uma senhora,
Caminha de maneira triste,
Parece não ligar para o agora
Respira, aceita, resiste

Do lado de cá um menino
Contente e vivo,
Das mãos do pai, um mimo
Um presente e um riso

Em frente, do outro lado
Está uma linda moça,
Olhar baixo, parado!
Beleza refletida em uma poça

Ao fundo um latido,
Um cachorro meio cinza
Sozinho, perdido!
Um choro que paraliza

O sinal fecha, atravesso a rua
Penso nesta singela vida,
E ao final de 30 segundos sob a lua,
Ausento-me daquela esquina

domingo, 5 de março de 2006

Doce Março***

E vejo teu olhar penetrante,
Teu rosto delicado feito flor,
Desejo teu abraço neste instante,
Aquele gosto deixado com amor

Lábios macios como veludo
Levam perfume de framboesa,
Raro é teu sorriso mudo,
Acende o lume da tua beleza

Voz de canção, suave, serena
Faz do vermelho, um amor
Um coração que bate pela morena
Faz do espelho, o cantor

E dança feito chuva santa
Em meio ao braços do poeta,
Encanta a lua feito criança
E no peito se faz a descoberta

Deixa de lado a distância,
Vive o rapaz, o sonho da sua vida
Apaixonado pela esperança
De voltar a ver, a bela senhorita!


Ainda lembro daquele jovem em busca da Beleza, da Verdade, da Liberdade e do Amor, e que no meio da sua jornada, se deparou com a perfeição!
Singela homenagem àquela que um dia fez-me entender que tudo na vida tem um sentido.Um feliz aniversário, doce senhorita...que está ali, está lá e está ali também!

de verdade verdadeira!

Escrito ao som de "Your Song"...

sexta-feira, 3 de março de 2006

Viagem sem Volta***

E no apagar das luzes
Um brilho ainda tem,
Um colar que confunde
Andarilho, um refém

Faz triste aquele dia
Um reencontro em devaneio,
Insiste a bela poesia,
Faz do conto um receio

A senhorita das limas
Distante como o olhar,
Faz visita com as rimas
Uma amante sem beijar

Um ciúme alheio,
Sofrimento sem esforço
Assume aquele medo
Um vento no fundo do poço

Coragem para poder voar
Levar para longe a limeira
Viagem sem ter que voltar,
Amar pela vida inteira

quinta-feira, 2 de março de 2006

Beijo de Verão***

"Um beijo em uma tarde de muito calor,
onde os raios do sol me incomodam,
e meu melhor amigo é o ventilador! "


...Beijo entregue nesta tarde, para uma certa garota de porcelana de muito longe...


***E assim está sendo meu verão, quente verão, vez ou outra abençoado com uma tempestade, mas ainda assim, quente verão...***

quarta-feira, 1 de março de 2006

Fim de Tarde na Janela***

Fim de tarde, um frio havia
O menino sentado,
Em frente, aquela fotografia
Carinhos desperdiçados

Lápis sem ponta, uma dó
Papéis em branco
Pés descalços, um nó
Ao revés, o pranto

Ar gelado em seu calcanhar
Brisa que vem debaixo,
Queixo enterrado no peito, sem ar
Vista difusa em passado

Sapatilhas machucadas,
No canto esquecidas,
Bailarina despedaçada,
No entanto, sem feridas

A lua não chega,
As nuvens ainda dançam
Feito chuva fresca,
Surgem lindas, cantam.

Reflexo da Solidão***

SolidãooãdiloS
SolidããdiloS
SoliddiloS
SoliiloS
SolloS
SooS
SS
S
S
SS
SooS
SolloS
SoliiloS
SoliddiloS
SolidããdiloS
SolidãooãdiloS

terça-feira, 28 de fevereiro de 2006

Sem esquecer, serei o que lembrar

Lembrei,
Dos olhos que não vejo mais
Do brilho, da luz, da alegria
Fotos que não mostram finais
Sorrisos que pus, não havia

Um amor, um início, um final
Carinhos, mimos noite adentro
Sabor, um vício, surreal
Caminhos infinitos, eu lembro

Gotas no vidro, deslizando
Ao fundo melodia, paixão
Notas, sinto-a cantando
Meu mundo, um dia, clarão

Serei,
Sozinho sem ti, incompleto
Lembrança que existe
Vazio sem fim, incerto
Esperança que persiste

sábado, 25 de fevereiro de 2006

Carnaval da Saudade

Carnaval sem final
Poesia sem alegria
Beijo sem desejo
Vaidade sem verdade
Coro sem choro
Canto sem encanto
Coração sem emoção
Saudade, saudade!

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2006

Espero-te!

Impossível te esquecer
Ainda lembro, vou lembrar
Perigo, é eu não te ter!
Espero! O momento chegará...

Inspiração Maior

Tantas são as lembranças
Saudade daquele teu jeito
Olhar que me encanta
Beldade, um ser perfeito

Tudo lembra você
O fogo, a água, o tempo
Ainda sofro por não te ter
Nem ouço tua voz, lamento

Diz-me frases sinceras
Aumenta meu árduo desejo
Feliz, sempre à espera
Inventa algo, um beijo

Pois é a mais bela do jardim
A melhor de todas as canções
Aquela que me faz sorrir
A maior de todas as inspirações

sábado, 18 de fevereiro de 2006

Hoje à Noite

Hoje à noite tem riso,
Tem luz do luar,
Tem amor e vinho,
Tem soluço e mar!

Hoje à noite não tem fim!
Tem música e dança
Tem sempre alguém afim!
Abraços e lembranças

Hoje à noite tem vaidade,
Tem ritmo de desejo!
Mentiras e verdades,
Tem suco de pêssego!

Hoje à noite tem brilho,
Têm soluços e lágrimas
Tem afago de amigos
Hoje à noite tem mágica!

Hoje à noite tem princesa!
Se quiser tem até bis
Hoje à noite tem beleza!
Uma mulher, uma miss!

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2006

O Visitante

Convide-me para entrar
Vamos para a cozinha,
Ofereça-me um chá
Por que está sozinha?

Fique de frente para mim
Feche os olhos e sinta
Uma pétala carmim,
Por um instante reflita

Abrace-me com amor
Sinta meu peito
Sinta o nosso calor
Tudo é perfeito!

Sentemos na sala
Dedos entrelaçados
Um beijo que cala!
Somos dois apaixonados

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2006

domingo, 12 de fevereiro de 2006

Vida Após a Morte

Escuro!
Escuro e apertado
Mãos sobre o peito,
Flores ao lado
Mudo!
Lágrimas e aplausos,
À porta, um gotejar
Lástimas ao acaso
Susto!
Vozes do passado,
Ao fundo, um adeus
Morte, um fardo
Silêncio!

sábado, 11 de fevereiro de 2006

Passado recente.

Abrem-se as cortinas,
Abre-se a janela,
O vento sopra o dia,
Extingue o lume da vela

Perdido, só, sobre a mesa
Palavras e versos
Um pedido, voz, uma certeza

No sabor do café a solidão
De vez em quando um suspiro
Um soluço, o amargo do pão

A noite cai, a chuva vem
Gotas dançantes no telhado
E não mais, sem ninguém
Sonho de amante, calado.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2006

Um homem que ainda sente...

Não sairás da mente daquele homem
Esta mulher confunde e inspira
Então por que insiste e respira?
Espera para que os dias felizes voltem

Homem confuso, entristecido
Mulher distante do pensamento
Enche o peito de dor, de ressentimento
Fraqueja o ser, deixa-o deprimido

Lutar este homem não deseja mais
É covarde e se inclina a fugir
Já não é tarde, mas para longe deseja ir
Ficar sozinho e cercado de paz

Mas aquela mulher é tão ela
Faz o coração do homem vacilar
Deixa a alegria e o sorriso reinar
E do homem, faz a vida parecer tão bela

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2006

O drama do menino, da menina, e do coração

O menino pensou que não mais seria feliz
Pensou que talvez o amor que sentia ali
Era tamanho que mal lhe cabia no peito
Imaginou que a menina era o tal par perfeito

O menino muito alegre caminhou por florestas
Encontrou um casebre, observou por entre as frestas
Viu a chama que ardia num coração angustiado
Mentiu e foi para a cama lembrar do passado

O menino achou em lembranças uma doce razão
Já não era mais criança, temeu a decisão
Tão medroso que esqueceu de ser feliz
Escondeu-se em meio ao riso daquela miss

O menino sabe que a menina está distante
Sabe que o coração sofre, não obstante ..
Chora por não saber como ajudar
A menina ou o coração? Em quem pensar?

A menina que lhe arrancou suspiros
O coração que ama e precisa de abrigo
O menino vai se acovardando, engana
Persiste prisioneiro deste drama..

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2006

Um bom dia e uma boa noite!

Bom dia!

Vou a praia! O céu está azul
Está sol, está chovendo, sorria!
Vou correr para o sul
Para o norte que estou vendo

Paralelo ao horizonte
Embaixo de claras nuvens no céu
Avistando de longe aquele monte
Montar meu doce carrossel

Vou viver o feliz
Cantarei o que não souber
Ouvirei o que nunca me diz
Sentirei o gosto do café

Dançarei o que não danço
Vou beijar e depois sorrir
Gritar e morrer aos prantos
Ver a noite chegar e dormir.

Boa Noite...

terça-feira, 7 de fevereiro de 2006

Conclusão...

"Tudo faz-me lembrar de você
O sol de uma bela e quente tarde
Tudo de mais belo que eu possa ver
Tua imagem é brilho, luz, é arte!"


PS: Tarde sem muita vontade de escrever...

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2006

Dance infinitamente!

Eu sei quem você é!
Desde o início soube, não me surpreendo, hoje mudarei meu discurso, não é para você!
É para quem se escondeu por detrás de uma máscara durante muito tempo...O baile já acabou há muito tempo! E há muito que você já não tem um par, já não precisa de um...Você faz e dança a sua própria valsa...Pois bem, que a dance como se fosse infinita, e não espere por aplausos, pois eles normalmente só vêm no fim...Divirta-se!

domingo, 5 de fevereiro de 2006

Se sim ou se não

Se eu pudesse eu estaria bem perto de você
Se eu pudesse eu estaria com você
Se eu pudesse eu lhe entregaria aquela flor
Se eu pudesse eu cessaria esta minha dor

Se eu não pudesse eu estaria bem perto de você
Se eu não pudesse eu estaria com você
Se eu não pudesse eu lhe entregaria aquela flor
Se eu não pudesse eu cessaria esta minha dor

Se eu pudesse ou se eu não pudesse, tanto faz
Se você estivesse aqui comigo, em paz
Se tudo fosse poesia, se tudo fosse prece
Se tudo fosse você, se você aqui estivesse

sábado, 4 de fevereiro de 2006

Sopra para dentro de mim...

Então não vou saber como era meu passado
Aliás prefiro um futuro quase incerto
Você me confundiu deixando-me apaixonado
Parar não desejo mais, você está aqui
Todos os dias não são mais que nem todos os dias
A mesma rua por onde ando, agora tem mais luz
Toda a monotonia transformou-se em alegria
Em tudo que vejo há seu toque angelical
Teus olhos eu vejo abertos no instante em que fecho os meus
O dia não raia mais como antes, todo dia é Natal
Meu presente é acordar de manhã e saber
Que em algum lugar, mesmo que longe
Nasce um sorriso teu, um brilho teu, você!
As noites parecem nunca quererem acabar
As estrelas me olham como se alguém estivesse por vir
Pois você ainda não entendeu a falta que me faz
Você mudou tudo, fez-me despertar, dançou diferente
Tantas são as flores que tenho a lhe entregar
Meu sorriso se faz incompleto agora que está ausente
Por que está tão ausente? sofro!
Fique junto de mim, para sempre
Faça-me viver, dê-me teu sopro!

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2006

Cansei de ser!

Cansei de ser
Não quero mais
Hoje eu quero ser, deixa eu ver...
Um pássaro!

Não, acho que já fui
Deixa eu pensar...
Vou me transformar
Em uma onda do mar!

Vai e volta
Leva e trás, enjoa
Estou a toa, quero ser...
Uma rosa, um buquê!

Também não!
Buquê não anda
Já sei! Não quero mais ser
Não quero mai ser!

Serei o pássaro
Que sobre as ondas do mar
Um buquê de rosas
Irá lhe entregar

Isso! Serei tudo
Tudo o que eu quero ser
Pois o que importa
É para sempre estar com você!

Reina, reina...

É o mais belo sorriso que já vi
Encanta, aproxima, realiza-me
São os mais lindos lábios que já toquei
Fios de cabelo mais perfumados
que pelo meu ombro escorregaram
ao ver teu sono dominando-a
Eu suporto!

É o mais singelo brilho que recebi
Levanta, hipnotiza, anima-me
São límpidos os olhos que observei
Os dedos mais delicados
que com os meus se entrelaçaram
Revê-la em sonho, desejando-a
Eu choro!

Sem mais espero que esteja aqui
Esperança, amiga, reviva-me
É tão vívida a aura que presenciei
Medos não estão mais do meu lado
Fez-se Romeu e assim ficaram
Julieta, teu sono está acabando
Eu imploro!

Fiquemos em paz, quero vê-la sorrir
Canta, querida, aquieta-me
Meu coração a esperar por você
Segredos a serem compartilhados
Dê-me teu aval, e assim choraram
Esteja em teu trono eternamente reinando
Eu te adoro!

terça-feira, 31 de janeiro de 2006

A Sonhar

Boa noite bela senhorita. Apresse-se a dormir, donzela tão bonita, pois desejo vê-la sorrir. Sorrir em meus sonhos mais belos. Desejo te encontrar em meio ao sono mais profundo e poder sentir teus braços abrigando-me como um castelo, onde em meio a tanta beleza me confundo.
Conceda-me uma última dança para que bem perto de ti novamente possa estar. Cante para mim aquela última canção que tão copiosamente conseguiu nos emocionar.
Dê-me aquele beijo que fez sumir o chão em baixo dos meus pés, de tal forma que caí até um desejo poder realizar.....era ter a chance de novamente contigo conversar...
Vamos viver de sonho em sonho para sempre! Vamos fazer do mundo o nosso doce carrossel, chegar nas alturas! Rabiscar teu infinito nome com letras feitas de nuvem no céu!
Vamos escorregar pelo arco-íris até o pote de ouro chegar! Visitar a Terra do Nunca! Dizer que nunca iremos nos separar! Vamos numa parede de rosas encostar, num chão de estrelas repousar. Sentir o cheiro agradável da tua pele macia, te ver sorrir, sempre sorrir com alegria!
Não vamos deixar acabar, infelizmente temos que acordar...e então a uma grande distância temos que ficar. Não me importo! Estou a construir uma linda ponte aqui! Na qual meu coração diretamente ao teu nos ligará! Onde os "aquis" enfim se tornarão um só lugar!

domingo, 29 de janeiro de 2006

Senti

Sem ti estou a chorar
Senti ao te ver partir
Sem ti restou esperar
Senti vontade de sumir
Sem ti senti! Ainda sinto
Senti sem ti! e ainda.....
Sem ti senti! e..........
Senti sem ti.......
Sem ti sem....
Senti.........

Em meus pensamentos

Minha cabeça está ocupada neste momento....
Por favor volte mais tarde,
É tempo de refletir sobre os últimos acontecimentos, até mais!
Em nada consigo pensar
Chegarei a ti sem alarde, em paz
Não vejo a hora de te encontrar, porém
Antes devo desocupar minha mente
Dê-me algo para cessar este pensamento, vem!
Estou de mãos atadas e calmamente
Sofro uma angústia sem fim, sem momento
Estranhamente sinto-me confortável assim
Limites a mim são impostos
Surpreendentemente fico num agradável fim
Convites poderiam ser propostos, mas então
Percebo que minha aflição, nada mais é
Do que uma bela senhorita que me toma todo o tempo
Um tempo que nunca por mim era gasto, até
O dia em que nada conseguia pensar, nem no vento
Assim que foi embora, senti o vazio em minhas mãos
Distância que me forçou a entender
Que na tua ausência, agora, bate errado meu coração
Sensação que só me faz crer
Que estas batidas são somente por você!

sábado, 28 de janeiro de 2006

Ditado (Alguma Ligação)

Tanta Intenção Tinha Ali
Teu Ímpeto Talvez Anunciasse
Tinha Iluminado Tanto Apagou
Teu Impressionismo Também Alertou
Tenho Incrivel Talento Agora
Tanto Improviso Tem Aqui
Também Idealizo Tamanha Alucinação
Torno Invisível Tua Anunciação
Tem ( ) Isso Tudo Aqui?

sexta-feira, 27 de janeiro de 2006

Quero envelhecer

Ficar velhinho, relembrar velhos momentos, ter cabelos branquinhos, branquinhos...Brincar com minhas rugas, dançar em um baile da terceira idade, jogar dominó na praça, ler um jornal enquanto aguardo a minha vez na fila do pão, contar aos meus netos minhas aventuras beira-mar, ouvir o lançamento do trigésimo álbum da minha banda favorita! Rever o musical da minha juventude.! Assim, sem preocupação, quero estar perto do fim, perto de você, que prometeu cuidar de mim, quero envelhecer!.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2006

Talvez seja a beleza, verdade, liberdade e o amor!

Realmente não sei.
Talvez porque seja tão especial ao ponto de fazer com que tua presença ou até mesmo a tua ausência, tornem um cenário frio e sombrio em um alegre e romântico lugar. Talvez seja porque você tenha mágica em teus olhos ou, porque tuas mão dançam como varinhas de condão, ou talvez porque tenha o poder de camuflar-se num céu repleto de estrelas. Tantos podem ser os motivos, quem sabe a beleza! Esta inspira até os já inspirados poetas. Dessa forma, você então deveria ser a primeira razão, talvez a única, da inspiração.
Divindade, delicadeza, beldade, realeza!
Uma flor na mais alta montanha, uma estrela numa redoma de cristal, um amor que um só coração ganha, que asim seja eterna e surreal.
Talvez possa ser o doce dos teus lábios, ou o lindo sorriso entre eles. A silhueta perfeita, quem sabe...Cabelos de seda! Ah! vc sabe! Não é possível! Como a perfeição não conhece a nascente de teus encantos, o brilhos dos teus olhos, a maciez da tua pele, o segredo da mão quente e aconchegante que tranquiliza a quem toca?
Ou então talvez seja apenas a minha mente apaixonada que tende sempre a elogiar o que de mais belo existe, buscando fazer feliz aquele que um dia pareceu triste!
Talvez seja explicado por aqueles filmes que não me saem da cabeça ou aquelas canções que por mais que não queira, dobram alguns corações. Fato é que não me canso de escrever, por mais maçante seja para aqueles que a primeira vista de nada disso entendem. Acham apenas que é mais um daqueles textos que um jovem tolo e apaixonado escreve para a tão sonhada amada, desejando apenas que ela leia e que após tê-lo feito um pequeno, basta ser pequeno, sorriso forme-se em sua face bela e delicada.
Pois então, é tão simples que torna-se confuso saber o que obriga alguém a ser tão dedicado em declarações não tão bem elaboradas aos olhos de um especialista, que as vezes parecemos esquecer que não somente a razão é responsável pelos dedos incansáveis que assim escrevem. Certas atribuições sofrem muito mais influências dos nossos sofridos e apaixonados corações, cansados de serem manchados por lágrimas e que só esperam um dia poderem saltitar felizes por um alguém que os façam valer a pena acreditar na verdadeira existência da beleza, da verdade, da liberdade e do amor.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2006

Como peixe

Num mar de rosas para navegar
Ondas que me levam para lá
Sem ter motivo para sair
Sem ar desejo me despedir

Torne-me um peixe
Rei dos mares, aceite-me!
Por que homem me fizestes?
Cansei-me destas vestes

Largue-me num oceano
À deriva só por mil anos
Suplicar não desejo mais
Deixe-me! Não suporto mais

Torne-me um peixe, eu imploro
Para não mais lhe dizer "te adoro"
Por que homem? Por quê?
Quero ser peixe como você

terça-feira, 24 de janeiro de 2006

...estar, suplicar, estar...

devemosemprestargumentandocesentimentosemoções
vivemosemerecermosomentempresperandouvirmassim
merecemosempressesorrisosingeloserenostalgicos
seremosomentespiritosolitariosuplicandomitidos

segunda-feira, 23 de janeiro de 2006

Foi

Correndo, correndo, correndo...
Cadê você? Não estou te vendo!
Pare um pouco se não me canso,
Desse jeito eu não te alcanço!

Volta por favor!
Aceite esta minha flor
Eu preciso lhe falar
Imploro-lhe, não vá!

Foi...

domingo, 22 de janeiro de 2006

Crônica do Amor

Por que sempre falar no amor?
Simples. Amor é teclar, escrever, recitar, ler, responder, cantar.
É platonizar! É se surprender, afinal amor é amor, rima com tudo: flor, dor, rancor, torpor, calor até se for dito sem amor, acaba rimando com amor.
Tudo gira em torno do amor ou o amor gira em torno de tudo? O fato é que o amor está no ar! Clichê? Pode até ser, mas não deixa de ser amor. Alguns matam por amor, outros morrem por amor, fazem de tudo pelo amor. Amor é a melhor desculpa, é a melhor saída. E tem as declarações. Ah! essas se forem feitas com amor, moverão montanhas. Agora me confundi....Não é a fé que move montanhas? Ah! já sei! A fé também é amor. O amor é lindo mesmo se não for nosso. Ver o amor te faz chorar tanto de felicidade quanto de tristeza. Como assim? Assista a um filme de amor sem o teu amor do lado, na certa você vai chorar de tristeza. E se for amor pode até ser filme de terror! Mas aí já acho que é saudade. Depende! A saudade está intimamente ligada ao amor, é complexo, muitas vezes não se mostra, mas se você pensar com amor verá que tens saudade porque tem amor pelo que sente falta. É melhor não explicar...afinal amor é amor. Continuando, ou melhor, começando. Só falamos no amor. É amor para lá é amor para cá, que coisa! As vezes irrita, mas em todo lugar que você olha, lá está o bendito amor, é inevitável, é agradável, é detestável. Qual ser humano nunca disse a palavra amor? Até os animais demonstram amor. As pessoas más também, demonstram amor a sua maldade. Quem escreve sobre amor não escreve em vão, não sejamos hipócritas, ninguém escreve por escrever, no final sempre espera que alguém leia. Mas esse alguém não é simplesmente qualquer um. Pode ser um amor! Jura!? É, não necessariamente um amor perfeito, pode ser um amor que nunca existiu, um amor platônico! É isso mesmo, platônico! Desses que não se tem esperança de ser correspondido, é triste mas não é o fim do mundo. Aliás, será que no fim do mundo existe amor? Deixa para lá, esse amor é muito poderoso, eu não vou nem questionar! O amor é oxigênio, o amor faz você trocar toda a sua vida por um dia! Um dia de amor! Eu ouvi isso num filme! Neste momento eu trocaria! Exagerado? Pode ser que sim, mas tendo amor vale tudo, até sofrer. Sempre os filmes! Ficção ou não, estão todos repletos de amor, assim como esse texto que vai chegando ao seu final sem muito propósito. Que pecado! Tá bom vai, tem o propósito do amor! Eu acredito no amor, pois o amor é tudo e tudo é amor. Então, tudo o que você precisa é Amor. acabou, assim, meio de repente. Eu estava gostando e você? Não precisa responder, deve estar me achando um idiota por acredita tanto assim no amor. Não importa, pois eu acredito! Contudo cheguei a uma conclusão, e descordo do início deste texto e le deveria ser assim:
"Por que sempre falar no amor?
Complicado....."
Acho que assim estaria melhor. Bom, dedico este texto ao meu amor, seja lá quem for. (rimou).

Exagerar é...

Talvez observar as estrelas deitado na lua
Ou então comer algodão doce feito criança
Sair sozinho cantando sob a chuva
Olhar para o espelho e ter a tua lembrança

Talvez eu queira tudo do meu jeito
Viver de sonho em sonho, por que não?
Ter a certeza de que tudo será perfeito
Fazer de tudo festa! Por que não?

Não me envergonhar de uma máscara ter que usar
Limitar-me a falar com meus olhos
Contracenar com ela no Espetacular Espetacular
Ter para sempre os teus olhos, os teus olhos!

Ser o diretor, a platéia, o ator principal
Levantar as cortinas, aplaudir, levar ao delírio
Viver de amor e enfim, mudar o final
Carregar-te em meus braços, serás meu colírio

Talvez eu esteja dormindo
E se assim for, que seja diferente
Vê-la tão bela, assim, sorrindo
Desejo, meu amor, dormir eternamemte

sábado, 21 de janeiro de 2006

Tá liberado:
-Tá livre, tá lilás, tá lívida, tá ligado, tá lírico, tá lisonjeada, tá linda
Tá limitado.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2006

Não é dificil

Não é preciso muito para fazer alguém feliz, pelo menos não para mim. As vezes poucas palavras, talvez uma por repetidas vezes, podem significar muito e trazer alegria a quem lê ou ouve...Quem consegue fazer isso? Um ser perfeito!

terça-feira, 17 de janeiro de 2006

Saudade

Saudade daquele olhar...
Hoje senti muita saudade!
Saudade daquele olhar...
Todos os dias eu sinto saudade
Saudade daquele olhar...
Mas hoje senti muita saudade
Saudade daquele olhar...
...daquele olhar para a santa!
Que não é a chuva
Mas da mesma forma encanta
Ai, que saudade daquele olhar.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2006

Escondida...

.
.
.
Tanto eu te quis
Agora que partiu
Linda por aqui
Instante que me feriu
Tinha algum amor
Antes daquele beijo
Levo-te uma flor
Infinito esse desejo
Tamanha foi a dor
Agora que não a vejo
.
.
.

Onda

Não me importo em ter que perder certas coisas, afinal não somos feitos só de vitórias. Mas eu não suporto injustiças, incógnitas...Por que nos é tirado algo que parece feito apenas para o bem?
Quando tudo caminha com alegria e felicidade sempre vem uma onda e arrasta tudo que vê pela frente. E que ingrata é essa onda! Podia ao menos perguntar o que pode e o que não pode ser levado, mas afinal do que estou falando? Não sei! Ou melhor sei e não quero dizer. E se não quero dizer por que estou a escrever? Cheguei a conclusão de que me levaram algo para longe, que na verdade nem era meu, apenas queria que fosse. Ainda sinto aquele sabor doce! Volta.

domingo, 15 de janeiro de 2006

Sensação Gostosa

Sensação gostosa essa.
De repente teus lábios adormecem, tuas pálpebras cansam, tuas palavras saem vagarosamente, assim como o girar do mundo. Um instante torna-se uma eternidade, uma eternidade torna-se um instante.
Um sorriso surge sem motivo, sem esforço, mas entao, uma tristeza parece te dominar e chorar é o que mais tem vontade de fazer. Assim, aquele mundo que girava tão lentamente parece virar um tornado enfurecido em poucos segundos, e de repente tudo gira, tudo roda e vc fica girando, girando sem parar e sempre para trás. Lembranças vêm a tona, resquícios daquele passado que te deixou feliz e que hoje não passa de saudade e esperança. Teu coração parece sufocar, quase não bate, ou bate desesperadamente.
- E quando passa?
Ah! quando passa sua cabeça dói, e como dói! Teu coração nem tanto, afinal você retornou a sua vidinha sóbria...e só ha uma certeza, você não vê a hora de sentir aquela sensação novamente, simplesmente porque essa é uma sensaçao gostosa.

sábado, 14 de janeiro de 2006

Eu a quero!

eu a quero!
ela que me faz sonhar, que me faz pensar em tudo o que é belo, afinal é somente nela que penso...linda! Não! É mais do que isso, é mágico..simplesmente a quero...feliz mesmo que seja sem mim...mas não importa pois sempre estarei com ela que me faz chorar, que me faz sorrir, que me faz amar, que me faz dormir...dormir eternamente. Repito: Eu a quero!

Hermano sim!

Tá bom....eu sou um cara estranho!!! Um tanto sentimental, na verdade nem sei porque estou neste mundo, sinto-me numa condicional, e a visão do lado de dentro é muito além do que se vê...Deixo tudo assim, deixo o verão pra mais tarde, procuro dividir-me em alguém...talvez num último romance...deixar o vento levar os pássaros através do mar até um horizonte distante onde um Pierrot apaixonado espera pelo amor de sua Colombina, assim, tão sozinho para que nela possa repousar o seu amor... Mas não sou um cara valente! Quem sabe um dia, a descoberta será feita, que não seja tarde tampouco precipitada, pois todo carnaval tem seu fim e no final assim calado a mão de um outro alguém fraquejará deixando revelar o amor por trás da máscara negra. Já não quero ser um vencedor, deixa ser como será...e se não for, basta fingir na hora rir e tudo volta como era antes.

Distância sem fim

...Longe do amor, da beleza
Da beleza, da flor
Flor daquela princesa
Princesa a distancia
Distancia que é detalhe
detalhe sem esperança
Esperança de encontrar-te
Encontrar-te nas estrelas
Estrelas que me confundem
Confundem a tudo
Tudo que me faz lembrar
Lembrar dos teus olhos
Olhos que não me contemplam mais
Mais do que precisava
Precisava era não te perder
Perder sem te ter
Ter sem te esquecer
Esquecer e só
Só pra você
Você que está longe...

quarta-feira, 11 de janeiro de 2006

Próximo cometa.

Anunciada foi a sua chegada, um tapete vermelho foi estendido para recepciona-la.
E então um cometa cortou meu céu como se fosse fogo, dilacerou as estrelas que o cercavam, fez um som estrondoso porém romântico.
Tentei agarra-lo com todas as minhas forças pela cauda, por pouco tempo consegui, mas era veloz como se fosse um tiro! Minhas mãos fraquejaram, perdi-o em meio a escuridão.
O que me restou então, foi o seu rastro que marcou como uma cicatriz meu confuso céu, e sei que por muito tempo não conseguirei enxergar as estrelas, pois estas estarão ofuscadas pela marca que deixara.
E assim sob a lua que ainda me acompanha, confuso em pensamentos, fico a esperar próxima passagem do cometa mais belo que meu céu acolheu.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2006

Que Lindo!

- És linda quando caminha
És linda ao sentar-se
És linda quando bebe, fecha os olhos, pisca suavemente
És´linda ao deitar-se

- Não sou!

- És linda quando diz: "Não sou!"
És linda ao sorrir
És linda ao ajeitar o cabelo
És linda quando canta
És linda quando pronuncia palavras mágicas
És linda de todos os jeitos
És linda, magnificamente linda
És Linda!

- Que Lindo....!


domingo, 8 de janeiro de 2006

Como se fosse sóbrio

Insisto em seguir-te por lugares onde nunca pisara, seguindo tuas pegadas como se fossem estrelas na luz do dia. Esforço-me para tentar trazer-te de volta do lugar de onde nunca estivera.
Vivo enquanto posso!
Todas as manhãs tento acordar, e em seguida tento respirar o restante do dia, até a chegada do crepúsculo, para que coniga me esconder atrás de um copo tendo a certeza de que em meus braços vc estará, contemplando-me com teu ar sublime, teu sorriso, teu olhar...
Com tuas palavras mágicas regadas com aquela canção. Canção que hipnotiza! Canção que me faz lembrar de como o mundo é maravilhoso agora que está aqui.

sábado, 7 de janeiro de 2006

Tá Onde???

Bela! Lindona!
Ora lá...ora ali,
Tá aí, ta lá,
Tá ali?.....tá!
Tanto faz...
Tanto fará,
Por mim
Quando sorri
Não tá mais lá
Eu sei....
Tá longe
Longe de mim
Perto de mim
Colado em meu coração...
Saudades de ti...

sexta-feira, 6 de janeiro de 2006

Minha jornada...

Acreditar na beleza não é apenas enxergar, é sentir, é abraçar, é ouvir, é ter a certeza de que nada poderia mudar aquele momento, o nosso momento! Por trás dos teus lábios palavras eram arremessadas ao sereno como se por alguém estivesse chamando, implorando um perdão ou uma solução. Perdia-te em meus braços pois sabia que esta luta não pertenceria a mim, a dignidade me faltava, é isso que sinto. Mas sei porém, que no futuro, quando nossas linhas do destino se cruzarem sei o que te direi, sei o que sentirei e com certeza mentirei!Mentira sim! Pois estarei a carregar comigo este fardo que me cansa, mas que ao menos em minhas costas será como lembrança do teu cheiro, do teu olhar, do teu beijo!A grande verdade é que me acovardo diante dos meus sentimentos mais puros e bonitos, simplesmente por medo, por medo do teu revide! Este é o início da minha jornada....que sinto em mim, que já está por terminar ou o que é pior, com seus caminhos traçados...traçados pela falta de coragem ou pela excessiva consciência que me toma!