terça-feira, 28 de fevereiro de 2006

Sem esquecer, serei o que lembrar

Lembrei,
Dos olhos que não vejo mais
Do brilho, da luz, da alegria
Fotos que não mostram finais
Sorrisos que pus, não havia

Um amor, um início, um final
Carinhos, mimos noite adentro
Sabor, um vício, surreal
Caminhos infinitos, eu lembro

Gotas no vidro, deslizando
Ao fundo melodia, paixão
Notas, sinto-a cantando
Meu mundo, um dia, clarão

Serei,
Sozinho sem ti, incompleto
Lembrança que existe
Vazio sem fim, incerto
Esperança que persiste

sábado, 25 de fevereiro de 2006

Carnaval da Saudade

Carnaval sem final
Poesia sem alegria
Beijo sem desejo
Vaidade sem verdade
Coro sem choro
Canto sem encanto
Coração sem emoção
Saudade, saudade!

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2006

Espero-te!

Impossível te esquecer
Ainda lembro, vou lembrar
Perigo, é eu não te ter!
Espero! O momento chegará...

Inspiração Maior

Tantas são as lembranças
Saudade daquele teu jeito
Olhar que me encanta
Beldade, um ser perfeito

Tudo lembra você
O fogo, a água, o tempo
Ainda sofro por não te ter
Nem ouço tua voz, lamento

Diz-me frases sinceras
Aumenta meu árduo desejo
Feliz, sempre à espera
Inventa algo, um beijo

Pois é a mais bela do jardim
A melhor de todas as canções
Aquela que me faz sorrir
A maior de todas as inspirações

sábado, 18 de fevereiro de 2006

Hoje à Noite

Hoje à noite tem riso,
Tem luz do luar,
Tem amor e vinho,
Tem soluço e mar!

Hoje à noite não tem fim!
Tem música e dança
Tem sempre alguém afim!
Abraços e lembranças

Hoje à noite tem vaidade,
Tem ritmo de desejo!
Mentiras e verdades,
Tem suco de pêssego!

Hoje à noite tem brilho,
Têm soluços e lágrimas
Tem afago de amigos
Hoje à noite tem mágica!

Hoje à noite tem princesa!
Se quiser tem até bis
Hoje à noite tem beleza!
Uma mulher, uma miss!

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2006

O Visitante

Convide-me para entrar
Vamos para a cozinha,
Ofereça-me um chá
Por que está sozinha?

Fique de frente para mim
Feche os olhos e sinta
Uma pétala carmim,
Por um instante reflita

Abrace-me com amor
Sinta meu peito
Sinta o nosso calor
Tudo é perfeito!

Sentemos na sala
Dedos entrelaçados
Um beijo que cala!
Somos dois apaixonados

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2006

domingo, 12 de fevereiro de 2006

Vida Após a Morte

Escuro!
Escuro e apertado
Mãos sobre o peito,
Flores ao lado
Mudo!
Lágrimas e aplausos,
À porta, um gotejar
Lástimas ao acaso
Susto!
Vozes do passado,
Ao fundo, um adeus
Morte, um fardo
Silêncio!

sábado, 11 de fevereiro de 2006

Passado recente.

Abrem-se as cortinas,
Abre-se a janela,
O vento sopra o dia,
Extingue o lume da vela

Perdido, só, sobre a mesa
Palavras e versos
Um pedido, voz, uma certeza

No sabor do café a solidão
De vez em quando um suspiro
Um soluço, o amargo do pão

A noite cai, a chuva vem
Gotas dançantes no telhado
E não mais, sem ninguém
Sonho de amante, calado.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2006

Um homem que ainda sente...

Não sairás da mente daquele homem
Esta mulher confunde e inspira
Então por que insiste e respira?
Espera para que os dias felizes voltem

Homem confuso, entristecido
Mulher distante do pensamento
Enche o peito de dor, de ressentimento
Fraqueja o ser, deixa-o deprimido

Lutar este homem não deseja mais
É covarde e se inclina a fugir
Já não é tarde, mas para longe deseja ir
Ficar sozinho e cercado de paz

Mas aquela mulher é tão ela
Faz o coração do homem vacilar
Deixa a alegria e o sorriso reinar
E do homem, faz a vida parecer tão bela

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2006

O drama do menino, da menina, e do coração

O menino pensou que não mais seria feliz
Pensou que talvez o amor que sentia ali
Era tamanho que mal lhe cabia no peito
Imaginou que a menina era o tal par perfeito

O menino muito alegre caminhou por florestas
Encontrou um casebre, observou por entre as frestas
Viu a chama que ardia num coração angustiado
Mentiu e foi para a cama lembrar do passado

O menino achou em lembranças uma doce razão
Já não era mais criança, temeu a decisão
Tão medroso que esqueceu de ser feliz
Escondeu-se em meio ao riso daquela miss

O menino sabe que a menina está distante
Sabe que o coração sofre, não obstante ..
Chora por não saber como ajudar
A menina ou o coração? Em quem pensar?

A menina que lhe arrancou suspiros
O coração que ama e precisa de abrigo
O menino vai se acovardando, engana
Persiste prisioneiro deste drama..

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2006

Um bom dia e uma boa noite!

Bom dia!

Vou a praia! O céu está azul
Está sol, está chovendo, sorria!
Vou correr para o sul
Para o norte que estou vendo

Paralelo ao horizonte
Embaixo de claras nuvens no céu
Avistando de longe aquele monte
Montar meu doce carrossel

Vou viver o feliz
Cantarei o que não souber
Ouvirei o que nunca me diz
Sentirei o gosto do café

Dançarei o que não danço
Vou beijar e depois sorrir
Gritar e morrer aos prantos
Ver a noite chegar e dormir.

Boa Noite...

terça-feira, 7 de fevereiro de 2006

Conclusão...

"Tudo faz-me lembrar de você
O sol de uma bela e quente tarde
Tudo de mais belo que eu possa ver
Tua imagem é brilho, luz, é arte!"


PS: Tarde sem muita vontade de escrever...

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2006

Dance infinitamente!

Eu sei quem você é!
Desde o início soube, não me surpreendo, hoje mudarei meu discurso, não é para você!
É para quem se escondeu por detrás de uma máscara durante muito tempo...O baile já acabou há muito tempo! E há muito que você já não tem um par, já não precisa de um...Você faz e dança a sua própria valsa...Pois bem, que a dance como se fosse infinita, e não espere por aplausos, pois eles normalmente só vêm no fim...Divirta-se!

domingo, 5 de fevereiro de 2006

Se sim ou se não

Se eu pudesse eu estaria bem perto de você
Se eu pudesse eu estaria com você
Se eu pudesse eu lhe entregaria aquela flor
Se eu pudesse eu cessaria esta minha dor

Se eu não pudesse eu estaria bem perto de você
Se eu não pudesse eu estaria com você
Se eu não pudesse eu lhe entregaria aquela flor
Se eu não pudesse eu cessaria esta minha dor

Se eu pudesse ou se eu não pudesse, tanto faz
Se você estivesse aqui comigo, em paz
Se tudo fosse poesia, se tudo fosse prece
Se tudo fosse você, se você aqui estivesse

sábado, 4 de fevereiro de 2006

Sopra para dentro de mim...

Então não vou saber como era meu passado
Aliás prefiro um futuro quase incerto
Você me confundiu deixando-me apaixonado
Parar não desejo mais, você está aqui
Todos os dias não são mais que nem todos os dias
A mesma rua por onde ando, agora tem mais luz
Toda a monotonia transformou-se em alegria
Em tudo que vejo há seu toque angelical
Teus olhos eu vejo abertos no instante em que fecho os meus
O dia não raia mais como antes, todo dia é Natal
Meu presente é acordar de manhã e saber
Que em algum lugar, mesmo que longe
Nasce um sorriso teu, um brilho teu, você!
As noites parecem nunca quererem acabar
As estrelas me olham como se alguém estivesse por vir
Pois você ainda não entendeu a falta que me faz
Você mudou tudo, fez-me despertar, dançou diferente
Tantas são as flores que tenho a lhe entregar
Meu sorriso se faz incompleto agora que está ausente
Por que está tão ausente? sofro!
Fique junto de mim, para sempre
Faça-me viver, dê-me teu sopro!

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2006

Cansei de ser!

Cansei de ser
Não quero mais
Hoje eu quero ser, deixa eu ver...
Um pássaro!

Não, acho que já fui
Deixa eu pensar...
Vou me transformar
Em uma onda do mar!

Vai e volta
Leva e trás, enjoa
Estou a toa, quero ser...
Uma rosa, um buquê!

Também não!
Buquê não anda
Já sei! Não quero mais ser
Não quero mai ser!

Serei o pássaro
Que sobre as ondas do mar
Um buquê de rosas
Irá lhe entregar

Isso! Serei tudo
Tudo o que eu quero ser
Pois o que importa
É para sempre estar com você!

Reina, reina...

É o mais belo sorriso que já vi
Encanta, aproxima, realiza-me
São os mais lindos lábios que já toquei
Fios de cabelo mais perfumados
que pelo meu ombro escorregaram
ao ver teu sono dominando-a
Eu suporto!

É o mais singelo brilho que recebi
Levanta, hipnotiza, anima-me
São límpidos os olhos que observei
Os dedos mais delicados
que com os meus se entrelaçaram
Revê-la em sonho, desejando-a
Eu choro!

Sem mais espero que esteja aqui
Esperança, amiga, reviva-me
É tão vívida a aura que presenciei
Medos não estão mais do meu lado
Fez-se Romeu e assim ficaram
Julieta, teu sono está acabando
Eu imploro!

Fiquemos em paz, quero vê-la sorrir
Canta, querida, aquieta-me
Meu coração a esperar por você
Segredos a serem compartilhados
Dê-me teu aval, e assim choraram
Esteja em teu trono eternamente reinando
Eu te adoro!